É fácil encontrar jambeiros nas ruas e quintais das casas de João Pessoa. Nesse período de floração eles chamam a atenção pelo tapete roxo, formado pelas flores que caem, deixando a paisagem muito mais bonita. A Secretaria de Meio Ambiente (Semam) da Prefeitura de João Pessoa tem 290 jambeiros cadastrados – mas sabe-se que existem muito mais árvores nos quintais.

Para que se mantenham saudáveis, os técnicos da Semam fazem o monitoramento das situadas nas áreas públicas, checando as condições fitossanitárias das plantas, observando se têm fungos ou cupins e tratando quando necessário.

Os jambeiros são nativos do Continente Asiático, mas se adaptaram com facilidade ao clima Tropical. As árvores florescem e dão frutos no período de junho a setembro.

Poda e plantio – Segundo o engenheiro agrônomo Anderson Fontes, diretor de Controle Ambiental da Semam, “quem tem um jambeiro no quintal de casa deve ficar atento e ter cuidado com a poda. Não é preciso podas drásticas, é importante preservar a arquitetura da copa da árvore, que tem formato de cone. E o melhor período para fazer a poda é logo após a floração e frutificação”, disse.

Sobre o local para o plantio, Anderson Fontes orienta observar os terrenos. “É uma árvore excelente para jardins que tenham grama, pois quando as flores caem promovem um espetáculo natural, com o contraste entre a cor roxa e a grama verdinha. E se for plantar na calçada é importante que se tenha uma área com no mínimo dois metros de largura e não fazer o plantio embaixo da fiação elétrica (rede de baixa e alta tensão)”, concluiu.

Anderson Fontes se referiu ainda à “lenda urbana” de que os jambos dos cemitérios são mais doces. “Existe sim essa crença, mas não há nada que justifique, nem mesmo em relação à fertilidade do solo. O que ocorre nos cemitérios é que as árvores estão protegidas da interferência humana e os frutos podem crescer naturalmente. Dessa forma eles amadurecem e, portanto, são mais doces”, explicou.

Cuidados com as árvores – Quem quiser colher frutos dos jambeiros deve evitar jogar pedras e outros objetos nas árvores. As pedras podem provocar feridas nos troncos e essas feridas podem abrir espaço para fungos e outros patógenos.